Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
23/10/2023 16h30min - Saúde
4 meses atrás

Teste rápido brasileiro para HIV e sífilis vai ser ofertado pelo SUS

A princípio, os testes serão direcionados às gestantes, profissionais do sexo e homossexuais

Imagem: Lais ► 
Fonte: Fonte Grande FM



O Ministério da Saúde anunciou, na sexta-feira (20), que fará investimento para compra de testes rápidos duplos para sífilis e HIV desenvolvidos pelo Lais (Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde) com ligação com a UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte).

O novo teste foi produzido no âmbito do programa “Sífilis Não”, criado pelo Ministério e pelo laboratório e que se encaixa em ações realizadas desde 2017 para combater a doença.

O “Sífilis Não” tem apoio da Opas/OMS (Organização Pan-Americana de Saúde) e visa reduzir os casos da enfermidade em gestantes e bebês.

Segundo a Saúde, serão alocados R$ 27 milhões para as aquisições, que devem poder comprar quatro milhões, e que serão distribuídos aos estados até o fim deste ano. A princípio, os testes serão direcionados às gestantes, profissionais do sexo e homossexuais.

A Folha de S.Paulo  apontou, recentemente, aumento nos casos de sífilis no pós-pandemia. Segundo boletim epidemiológico de sexta-feira (20), divulgado pela Saúde, em 2022, houve aumento de 23% ante 2021.

Por sua vez, a sífilis congênita (passada da mãe para o bebê) cresceu 17,6% entre 2011 e 2017 e aumento subsequente de 16,7%.

Segundo médicos, mesmo com os exames que detectam sífilis e HIV fazerem parte do pré-natal, há gestantes que evitam realizarem o teste com receio da reação do parceiro, pois elas podem sofrer violência doméstica se o companheiro entender que a mulher foi infiel.

A expectativa é que os testes duplos possam reduzir diagnósticos tardios e aumentar a prevenção de novos casos, em especial a sífilis congênita.

Produção do novo teste

A pesquisa para a criação do teste foi realizada em parceria com a Universidade Johns Hopkins, de Baltimore (EUA) e a Universidade de Coimbra (Portugal);Os “duos testes” são produzidos a partir de insumos importados pelo Lais;Os primeiros testes foram fabricados em projeto-piloto com foco nas gestantes, tendo começado em outubro de 2022 em Natal (RN);Eles utilizam ensaio imunocromatográfico de fase sólida (associação específica a anticorpos com partículas coloridas conjugadas – na fase sólida, um pente com 12 dentes é carregado com anticorpos anti-imunoglobulina humana, o antígeno da doença e a amostra extraída do paciente) e detectam os anticorpos específicos para HIV, ou a bactéria que causa a sífilis (Treponema pallidum) em soro humano, plasma ou sangue total.

Esse formato de exame se popularizou com a pandemia de Covid-19. Os aparelhos usados nos testes são similares aos que quantificam a glicemia no sangue, no qual uma gota de sangue é recolhida do dedo e depositada em uma tira. Os resultados demoram menos de dez minutos para saírem.

Segundo o governo, mesmo havendo amplo uso e distribuição dos testes rápidos para detecção de HIV pelo SUS, os que detectam sífilis possuem alcance inferior ao esperado pela Saúde.

Crescimento de casos de ISTs

O Brasil também vem enfrentando aumento nos casos de ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis), em especial, entre os jovens. O Brasil é pioneiro na oferta de antirretrovirais pelo SUS no tratamento da AIDS, mas só cumpriu uma das três metas propostas pela OMS para combater a explosão da enfermidade, aumentando o número de mais velhos com o vírus.

Contudo, a Saúde divulgou, há pouco, novo protocolo de diretrizes terapêuticas para pacientes com HIV/AIDS para as pessoas mais velhas. Em conjunto com a “Sífilis Não”, essa iniciativa do governo busca eliminar ou controlar, até 2030, 14 doenças com altos índices em regiões de maior vulnerabilidade. Entre tais enfermidades, estão o HIV e a sífilis.



•  

Grande FM
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.