Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
29/02/2024 10h00min - Saúde
2 meses atrás

Telemedicina: hospitais tradicionais vão levar conectividade para locais remotos

Parceria vai usar bancos de dados para agilizar comunicação na área da saúde, além de promover telemedicina como forma de inclusão

Canva/Grande FM ► 
Fonte: Fonte Grande FM



O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (FM) da Universidade de São Paulo (USP) se uniu ao Hospital Beneficência Portuguesa a partir da iniciativa InovaHC para levar conectividade no setor de saúde para áreas remotas.

O projeto pretende usar tecnologia para melhorar o acesso aos tratamentos. Ainda, as instituições médicas, como o próprio HC, estão promovendo telemedicina  como forma de aumentar a acessibilidade a consultas.

Parceria por conectividade na saúde

Giovanni Guido Cerri, professor da Faculdade de Medicina da USP e presidente dos conselhos do Instituto de Radiologia e InovaHC, ao Jornal da USP, diz que a colaboração é importante por se tratar de duas instituições antigas e tradicionais, com excelência em saúde.

O HC vai ajudar a Beneficência Portuguesa na conectividade, para que informações de exames e procedimentos médicos coletados em áreas de pouco acesso possam chegar à unidade central, em São Paulo, prontamente.

Por exemplo, uma das ações da parceria será usar dados do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS) de áreas do Nordeste para obter informações de saúde das mulheres.

Ele ressalta como o HC já trabalha com 5G para trazer informações de áreas longínquas para a capital.

Telemedicina e saúde digital

Cerri ainda lembra que a pandemia mudou a forma como os médicos enxergam os atendimentos e consultas remotas, com mais aceitação. Para ele, a legislação que aprovou a telemedicina no Brasil contribuiu para melhorar a aplicação da tecnologia.

Saiba mais vantagens, segundo o professor:

Cerri conta que a saúde digital promove jornadas de trabalho mais fáceis e objetivas para os profissionais da saúde;

Além disso, economiza, já que precisa de poucos equipamentos, como uma câmera, computador e boa conexão;

Para ele, o processo também é mais rápido e dinâmico na hora de realizar diagnósticos;

Ao final, Cerri diz que isso torna o atendimento médico mais acessível para pacientes em áreas distantes, promovendo a inclusão;

Porém, um dos desafios da telemedicina atualmente é a falta de investimento.

O professor da USP ainda revela que, hoje, o HC realiza cerca de 10% das consultas de forma online. A meta é chegar a 40% em quatro anos.



•  

Grande FM
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.