Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
22/08/2023 20h00min - Mato Grosso do Sul
7 meses atrás

Startup financiada pela Fundect representa Mato Grosso do Sul em evento nacional


Foto divulgação: Arquivo pessoal/ Bruaca ► 
Fonte: Fonte Tribuna Ms



A Bruaca, projeto de negócio socioambiental para venda de produtos e artesanato das comunidades tradicionais do Pantanal, foi selecionada para representar Mato Grosso do Sul - como uma das três ideias inovadoras, no Startup Summit.

 O evento é um dos maiores eventos do setor da América Latina, e acontece entre os dias 23 e 25 de agosto, em Florianópolis (SC). 

A empresa recebeu fomento do Programa Centelha II, desenvolvido pela Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul) em parceria com a Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), que é um dos principais projetos de incentivo ao empreendedorismo no Estado. 

O modelo de negócio é baseado em uma cesta de bens e serviços, a partir de uma curadoria do patrimônio cultural, material e imaterial, das comunidades indígenas, ribeirinhas e assentadas do Pantanal. Isto inclui produtos, artesanato e uma rede de turismo de base comunitária. 

A participação no evento em Santa Catarina ocorre após a Bruaca vencer a etapa estadual do desafio “Like a Boss”, promovido pelo Sebrae, e conquistar uma vaga na competição nacional que será durante o Startup Summit. 

Denise Silva, criadora da empresa, destaca que é uma oportunidade única para capacitar e captar novos recursos. “Além de concorrer, vamos participar das palestras, teremos um estande para divulgar nossos produtos e faremos parte de uma rodada de negócios. Estamos com muita expectativa de trocar experiências, conhecer outras iniciativas e ouvir feedbacks de avaliadores e investidores".

Alma pantaneira

A Bruaca surgiu a partir dos resultados de uma pesquisa de pós-doutorado em Estudos Culturais, desenvolvida por Denise Silva, que também é presidente do Ipedi (Instituto de Pesquisa e Diversidade Intercultural). A professora, que nasceu em Miranda (MS), uniu o que vivenciou nas comunidades tradicionais de Mato Grosso do Sul para montar uma rede de pessoas, produtos e experiências pantaneiras. Este sonho de berço pantaneiro saiu do papel com o apoio financeiro de R$ 86 mil do Programa Centelha II, da Fundect.

“Já na minha primeira pesquisa com línguas indígenas, ainda como bolsista de mestrado, também apoiada pela Fundect, eu percebi que as pessoas não estavam mais fazendo artesanato por conta da dificuldade em vender e essa cultura é fundamental para a preservação das tradições. Agora, o apoio financeiro do Governo do Estado, via Fundect, está nos ajudando a manter o artesanato vivo, a fortalecer o desenvolvimento territorial e preservar a identidade cultural dos povos do Pantanal”, destaca Denise.

Por enquanto, o foco está nos produtos e artesanato como cestos de taboa, carandá, aguapé e taquara, cerâmica Terena, Kadiwéu e Kinikinau, chaveiros de osso no formato de animais do Pantanal, pulseiras de faixa pantaneira, castanha de baru, mel e chocolate Angi com guavira. “A gente comercializa as peças em feiras e eventos e a renda vai direto para os artesãos e artesãs, que pagam apenas uma taxa de administração para manutenção do negócio. Nós avançamos muito na identificação e documentação dessas práticas culturais e na comercialização desses produtos. O próximo desafio é elaborar uma plataforma digital de e-commerce”.

Cerca de 40 artesãos indígenas, assentados e ribeirinhos, já estão envolvidos no projeto, a maioria mulheres. São 29 comunidades representadas, 14 delas de Miranda, mas também de Corumbá, Anastácio, Aquidauana, Nioaque, Porto Murtinho, Bodoquena, Jardim, Rio Verde, Campo Grande e até do Parque Indígena do Xingu.

A ceramista Janir Gonçalves Leite, da Terra Indígena Taunay/Ipegue, localizada no município de Aquidauana, é uma das que conta com apoio da startup para vender suas peças que retratam a fauna e flora do Pantanal. Segundo ela, as possibilidades colocadas pela Bruaca valorizam os artesãos. “Nossos produtos têm qualidade e são diferenciados. Agora quem está lá na aldeia, ou no meio do Pantanal, vai ter onde vender o que produz".

Nesta rede está Nilza Bandeira, ribeirinha de Miranda e produtora de mel. Ela conta que no Pantanal é possível trabalhar e produzir com qualidade, mas a maior dificuldade é expor e vender o produto. “Participar da Bruaca é muito importante para mim para conseguir valor no meu mel, reconhecimento pelo meu trabalho, pelo meu esforço. Eu e minha família trabalhamos não só com a pesca e o mel, mas também para conservar a natureza”. E com a oportunidade de venda ampliada, Nilza e outras produtoras de mel estão formando uma associação, a Flor de Camalote.

Turismo de Base Comunitária

Denise Silva conta que o trabalho de integrar as comunidades no turismo do Pantanal também já começa a tomar forma com testes de experiências turísticas com os ribeirinhos e indígenas, mas que ainda depende de uma pesquisa de campo maior, de mais articulação e também de autorização de alguns órgãos. “Mas já demos um passo importante ao conseguir uma vaga no Conselho Municipal de Turismo de Miranda e criamos a Câmara Técnica de Turismo de Base Comunitária que será coordenada por nós”, reforça.

Além da Fundect, a iniciativa tem parcerias com a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), Movimenta Pantanal e Ecoa (Ecologia e Ação).



•  

Tribuna Ms
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.