Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
15/11/2023 15h30min - Mobilidade Urbana - Tecnologia
4 meses atrás

Será que a febre volta? Empresa de patinetes elétricos por aluguel aposta no Brasil

A russa Woosh tem sucesso no negócio de patinetes elétricos na Europa e já está operando no Brasil desde junho

Foto: Whoosh/Divulgação ► 
Fonte: Fonte Grande FM



Quem passeava por centros comerciais de grandes cidades, como São Paulo, não se surpreendia com os patinetes elétricos amarelos em circulação. O Brasil viu uma febre desses modelos durante um tempo, mas eles não duraram muito. A Grow, a Lime e até a Uber são empresas que apostaram no serviço de aluguel no país, sem sucesso.

Agora, com opções aprimoradas de tecnologia e operação, a marca russa Woosh pretende reviver a onda dos patinetes, começando com Florianópolis e Porto Alegre.

Patinetes elétricos da Woosh

A Woosh nasceu na Rússia em 2019 e já conta com mais de 160 mil patinetes elétricos disponíveis para uso em mais de 40 cidades do mundo inteiro. A maioria está na Europa, mas duas delas ficam no Brasil: Florianópolis e Porto Alegre.

O primeiro teste da empresa no Brasil começou na capital catarinense, com a disponibilização de 1,3 mil patinetes em junho. Em outubro, a Woosh expandiu a frota para Porto Alegre, adicionando mais 450 unidades.

Segundo reportou o g1, a companhia ainda quer aumentar sua presença por aqui e pretende colocar mais de 20 mil patinetes elétricos em circulação em 10 cidades nos próximos três anos, incluindo Rio de Janeiro e São Paulo.

O que a Woosh tem de diferente?

Para fazer sucesso no Brasil, a Woosh tem alguns diferenciais em relação a outras empresas que já ofereceram o serviço por aqui. De acordo com o CEO da companhia no país, Francisco Forbes, o principal ponto é o modelo operacional.Outras companhias permitiam que os usuários retirassem as unidades e as deixassem em qualquer lugar da cidade, sendo cobrados pelo tempo de uso em um aplicativo. Então, outro usuário poderia retirar aquela mesma unidade onde ela foi deixada, seguindo o mesmo funcionamento.A Woosh só vai permitir que usuários retirem e devolvam os patinetes elétricos em áreas designadas dentro do mapa do app.Segundo Forbes, isso dá uma integração maior da operação com o fluxo e o cotidiano da cidade, facilitando a troca de baterias para que as unidades estejam sempre carregadas para uso.Além disso, os modelos terão uma tecnologia mais automática, que reconhece o perfil de uso dos usuários, e funcionários próprios, sem terceirização.Crise no setor dos patinetes elétricos

Apesar da rápida popularização, o setor dos patinetes elétricos por aluguel não deslancharam devido a alguns desafios.

A Grow, empresa que surgiu da fusão entre a brasileira Yellow e a mexicana Grin, foi a maior na área no Brasil, mas teve dificuldade com a manutenção das unidades, além do vandalismo e de furtos. Em 2020, a empresa deixou o setor das bicicletas e focou somente nos patinetes em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, mas deixou de circular durante a pandemia de Covid-19.

No mesmo ano, a Grow chegou a entrar com um pedido de recuperação judicial, mas decretou falência esta semana, segundo o g1.

Já a Lime saiu do país em 2020, depois de apenas seis meses de operação. A empresa declarou, na época, que se tratava de viabilizar a “sustentabilidade financeira”.



•  

Grande FM
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.