Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
23/08/2023 11h00min - Agricultura
7 meses atrás

Produtores sinalizam substituir milho por algodão

Especialistas indicam que é preciso considerar os riscos que envolvem a decisão

Imagem reprodução: Agrolink ► 
Fonte: Fonte Agrolink



O maior gasto de uma lavoura de algodão é com produtos fitossanitários e, desde o ano passado até o presente momento, os custos com Fungicidas , inseticidas e herbicidas diminuíram em cerca de 35% em Mato Grosso. De acordo com a Fundação MT, com isso, o Custo Operacional Total favoreceu os cotonicultores, e foi acompanhado de certa estabilidade nos preços de vendas da commodity nos últimos seis meses. Combinados, os dois fatores levam a uma rentabilidade melhor com a cultura.

Já o milho amarga forte queda em suas cotações, com preços despencando nos últimos meses em mais de 39%. Além disso, a margem líquida da safra 2023/24 para o cereal no Estado também reduziu, tornando-se pouco atrativa. Mesmo com os custos menores com fertilizantes, a rentabilidade do produtor de milho foi sendo comprimida. Os dados são da Agrinvest Commodities, que acompanha o cenário com projeções atualizadas semanalmente.

Em razão deste quadro, alguns produtores têm avaliado substituir o milho pelo algodão na segunda safra ou optar pela redução de tecnologias para aliviar os custos. Em Mato Grosso, é bastante esperado que grandes grupos produtores façam a substituição de uma cultura pela outra, no entanto, os especialistas sugerem ponderação de alguns aspectos antes da tomada de decisão. Para debater o assunto, estarão reunidos no painel de abertura do XV Encontro Técnico Algodão, da Fundação MT, que será realizado em Cuiabá, de 28 a 30 de agosto.

Com o tema ‘Cenário atual e futuro da cotonicultura’, o encontro será no painel de abertura do evento e contará com a presença de Alexandre Schenkel, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) e Jeferson Souza, analista de inteligência da Agrinvest. Também participam Alexandre De Marco, diretor da Associação Matogrossense dos Produtores de Algodão (Ampa), Rodrigo Oliveira, gerente de Planejamento Agrícola da SLC Agrícola e a jornalista Kelen Severo, que vai mediar o momento. O painel também vai abordar projeções para a cultura em Mato Grosso e como o Brasil está se desenvolvendo em outros mercados quando o assunto é o algodão.

Para Souza, da Agrinvest, são vários os fatores que precisam ser ponderados na decisão de substituir o milho segunda safra. “Os custos do algodão são praticamente três vezes maiores do que os custos operacionais do milho. Além do maquinário ser muito mais caro, é preciso analisar a capacidade das algodoeiras e a logística, pois tudo isso impacta diretamente na rentabilidade. Então, o risco e retorno do algodão é muito maior porque o investimento também é maior”, pontua o analista.

A demanda global da pluma e o quanto isso pode impactar na relação de troca do cotonicultor e vendas da safra futura é outro aspecto importante que será levado ao debate. “Olhando para a rentabilidade, hoje o algodão tem uma performance melhor que o milho safrinha, porém, os custos ainda são elevados e ainda é um mercado que está sob tensão. Com a previsão de aumento da produção no Brasil, é fundamental analisar o mercado consumidor. Se não houver uma resposta do lado do comprador para absorver essa maior oferta, existe a chance de queda nas cotações do algodão no ano que vem”, ressalta Souza.  

A preocupação é validada pelo International Cotton Advisory Committee (ICAC), descrita no último Relatório de Safra da Abrapa, no início de agosto. O órgão projeta aumento de 530 mil toneladas na demanda global, estimada em 24,41 milhões de toneladas, alta de 2,2% em relação à safra vigente. Mas, apesar de positiva, a projeção demonstra enfraquecimento devido à inflação nos países desenvolvidos e ao baixo apetite de compras de seus consumidores.

Ainda conforme o relatório, em pesquisas de confiança do consumidor, as pessoas relatam que se sentem desconfortáveis com o futuro das economias e ainda percebem a pressão dos preços mais altos. Apesar da inflação ter diminuído significativamente, a população não tem constatado esse fato no dia a dia. A impressão, para elas, é de que os preços parecem ainda estar superando os salários, também, em países mais ricos.



•  

Agrolink
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.