Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
16/09/2023 12h00min - Geral
6 meses atrás

Os defensores do meio ambiente colocam em pauta a redução do consumo de carne e leite

Alternativas que devem impactar positivamente na biodiversidade e na segurança alimentar nas próximas décadas.

Foto divulgação ► 
Fonte: Fonte Agrolink



Os defensores do meio ambiente defendem a solução de comer menos carne como uma forma eficaz de reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Um artigo recente sugere que abandonar a carne em favor de produtos vegetais que se assemelham à carne não apenas ajudaria o clima, mas também teria impactos positivos na biodiversidade e na segurança alimentar nas próximas décadas.

Substituir 50% do consumo global de carne bovina, frango, suína e leite por alternativas à base de plantas até meados do século poderia conter a destruição ecológica associada à agricultura, especialmente em regiões como a África Subsaariana, China e Sudeste Asiático, de acordo com um estudo publicado na revista Comunicações da Natureza. Essa mudança na dieta também resultaria em uma redução de 31% nas emissões agrícolas de gases de efeito estufa até 2050, equivalente a evitar a queima de 1,8 bilhões de libras de carvão por ano entre 2020 e 2050.

“Há provas suficientes que mostram que, se não mudarmos as nossas dietas, não alcançaremos a meta de 1,5 graus Celsius até 2100”, disse Lini Wollenberg,, que investiga alterações climáticas e sistemas alimentares no CGIAR e na Universidade de Vermont. “A agricultura tem que ser abordada.”

Sob o cenário atual, a demanda por carne e a área agrícola cresceriam significativamente até 2050. No entanto, se as pessoas substituíssem metade de sua carne e leite por alternativas à base de plantas, a área agrícola utilizada diminuiria em 12%, o que corresponde a 653 milhões de hectares, aproximadamente o dobro do tamanho da Índia. Essa mudança também contribuiria para a conservação da biodiversidade e a preservação da água, de acordo com a pesquisa.

Os autores do artigo reconhecem que substituir metade do consumo mundial de carne e leite até 2050 “será um desafio e poderá exigir uma série de intervenções tecnológicas e políticas”, embora concluam que tal cenário “é realista, especialmente se a nova planta- alternativas baseadas em vegetais podem ser combinadas com produtos tradicionais à base de plantas e outros novos substitutos da carne, sejam eles baseados em células ou em insetos.”

* com informações da Agrolink



•  

Agrolink
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.