Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
29/07/2023 12h00min - Geral
8 meses atrás

Eventos do El Niño serão mais Frequentes e intensos

Intensidade dos eventos podem ser até 20% mais fortes

Canva ► 
Fonte: Fonte Agrolink



Em um mundo cada vez mais afetado pelas mudanças climáticas, os eventos do El Niño, parte do fenômeno conhecido como Oscilação Sul-El Niño (ENSO), estão se tornando mais frequentes e intensos. Por mais de 30 anos, os pesquisadores climáticos têm se perguntado como as mudanças climáticas induzidas pelo homem afetam o ENSO. Embora ainda não haja evidências claras de que as mudanças climáticas já afetaram o ENSO, o estudo sugere que os eventos futuros de El Niño se tornarão mais frequentes e intensos.

O estudo, liderado por Wenju Cai e colegas, revisou estudos anteriores e realizou novas análises para fornecer insights adicionais sobre essa questão crucial. Os pesquisadores usaram simulações de computador de vários séculos a partir da última geração de modelos climáticos, combinadas com técnicas de análise sofisticadas, para abordar a questão.

Os resultados indicam que há uma alta probabilidade de que as variações do ENSO tenham aumentado em amplitude em até 10% desde 1960 devido ao aumento observado das concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera. Isso significa que os eventos fortes de El Niño e La Niña estão se tornando mais fortes e mais frequentes, assim como observamos no registro histórico mais recente.

Essa amplificação do ciclo ENSO se traduz em secas, inundações, ondas de calor, incêndios florestais e tempestades severas mais extremas e frequentes ligadas ao ENSO. Isso foi observado durante a recente La Niña de três mergulhos que terminou em março passado e o grande El Niño de 2015/16.

O estudo também indica que as variações do ENSO provavelmente se tornarão ainda mais fortes (em 15-20% sob cenários de alta emissão) no final deste século se as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera continuarem a aumentar.

O ENSO surge de feedbacks auto-reforçadores entre a atmosfera e o oceano, e esses feedbacks se tornam mais fortes em um mundo mais quente. Sob o aumento da força dos gases de efeito estufa, as camadas superiores do Pacífico tropical se aquecem mais rápido que o oceano mais profundo. A camada de superfície mais quente aumenta a precipitação, e juntos eles aumentam a estratificação de densidade do oceano superior, tornando-o mais sensível à força do vento. Assim, o acoplamento do oceano e da atmosfera se torna mais forte, tornando os balanços entre El Niño e La Niña mais extremos.

No entanto, é importante notar que os modelos climáticos têm limitações conhecidas, e as conclusões deste estudo dependem da geração atual desses modelos. Ainda assim, eles são as melhores ferramentas disponíveis para abordar esse problema, e o estudo  extrai todas as informações possíveis deles para fazer seu caso.

*Material elaborado pelo metereologista, Gabriel Rodrigues com revisão de Seane Lennon.*



•  

Agrolink
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.