Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
15/04/2024 17h30min - Saúde
1 mês atrás

Dengue: bactéria pode frear transmissão da doença no Brasil

Método Wolbachia consiste na liberação de mosquitos infectados com bactéria que pode impedir a transmissão da dengue

Imagem: Pexels ► 
Fonte: Fonte Grande FM



O Brasil  enfrenta o pior surto de dengue da história. Além das medidas de combate ao mosquito Aedes aegypti, como evitar água parada, as autoridades sanitárias contam com uma outra alternativa para frear o avanço da doença: o Método Wolbachia.

Bactéria impede a circulação da dengue

A iniciativa é conduzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com governos locais e o World Mosquito Program (WMP), iniciativa internacional sem fins lucrativos que trabalha para proteger a comunidade global das doenças transmitidas por mosquitos.

Ela não consiste na modificação genética dos mosquitos, mas sim na liberação de Aedes aegypti com a bactéria Wolbachia, que impede que os vírus da dengue, Zika e Chikungunya se desenvolvam, o que contribui para a redução da transmissão. Esta bactéria pode ser encontrada no meio ambiente e está presente em 50% a 60% dos insetos, como as borboletas, abelhas e formigas.

“O Aedes aegypti não a tinha, no entanto, os pesquisadores descobriram que ao retirá-la e inseri-la nos mosquitos, ela bloqueia a replicação do vírus da dengue, assim como da Chikungunya e Zika. É como se o mosquito fosse vacinado, digamos assim.” - Diogo Chalegre, biólogo sanitarista e líder de relações Institucionais e Governamentais do WMP Brasil

No método, não há uma nova inserção da bactéria em cada um deles, pois toda fêmea que a tem passa para a próxima geração, tornando o método autossustentável e uma intervenção acessível a longo prazo. O processo pode ser feito tanto com o adulto, que é solto nas ruas, quanto com os ovos dos mosquitos.

Atualmente, as equipes atuam no Rio de Janeiro (RJ), em Niterói (RJ), Campo Grande (MS), Belo Horizonte (MG) e Petrolina (PE). Toda a ação é realizada com financiamento do Ministério da Saúde, que mapeou locais considerados prioritários para receber o método. São eles: Joinville, Londrina, Foz do Iguaçu, Presidente Prudente, Uberlândia e Natal. A expectativa é de que todos recebam a tecnologia nos próximos meses.

As informações são do UOL



•  

Grande FM
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.