Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
15/04/2024 18h00min - Economia
2 meses atrás

Conflito no Oriente Médio pressiona defasagem no preço da gasolina, que chega a 19%, diz Abicom

O último reajuste no preço dos combustíveis da Petrobrás foi há mais de 3 meses, em dezembro de 2023

Unsplash ► 
Fonte: Fonte TV Cultura / UOL



O aumento da tensão após ataques do Irã contra Israel no último sábado (13), podem gerar uma crescente no preço do barril de petróleo, ocasionando efeitos domésticos em território brasileiro com uma possível disparada das cotações do petróleo, pressionando a Petrobras para fazer um reajuste.

Dados da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis) apontam que a defasagem no preço da gasolina no Brasil subiu 19% em relação aos valores internacionais nesta segunda-feira (15). Nos preços do diesel, aponta defasagem de 12%.

Em um levantamento publicado pela associação na sexta-feira passada (12), a diferença da gasolina havia chegado a 17%. Já a do diesel estava em 10%. O esperado aumento do valor da commodity ampliará a defasagem dos preços dos combustíveis da Petrobras, que já está elevada, e pressionará por um reajuste da gasolina e do óleo diesel.

Sérgio Araujo, presidente-executivo da Abicom, avalia que existe uma forte tendência de aumento do preço do petróleo e dos derivados.

"A região [Oriente Médio] é muito crítica na produção e transporte de petróleo. Um conflito dessa natureza eleva muito o risco de movimentações de navios, por exemplo", diz Araújo.

O presidente da associação afirma ainda, que o Brasil está praticando preços abaixo do mercado internacional, e que a escalada do conflito deve pressionar a Petrobras para aumentar os seus preços.



•  

TV Cultura / UOL
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.