Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
09/11/2023 20h00min - Ciência e Espaço
8 meses atrás

Cientistas descobrem buraco negro supermassivo a 13 bilhões de anos-luz de distância da Terra

Descoberta se deu por meio da combinação de dados do observatório de raios-x Chandra e do telescópio espacial James Webb

ESA/Hubble & NASA, Acknowledgement: Judy Schmidt ► 
Fonte: Fonte TV Cultura / UOL



Astrônomos anunciaram ter descoberto, por meio da combinação de dados do observatório de raios-x Chandra e do telescópio espacial James Webb, um novo buraco negro. O objeto de estudo fica na galáxia UHZ1, localizada a cerca de 13,2 bilhões de anos-luz de distância da Terra.

Outro fator a respeito da descoberta é que esse é o buraco negro mais distante da Terra já descoberto.

Um ponto curioso a respeito da novidade é que, ao todo, sua massa é semelhante à da galáxia na qual está inserida. Ou seja, se trata de um buraco negro supermassivo.

O que é um buraco negro

Um buraco negro nasce, basicamente, após a morte de uma grande estrela. O termo se dá pois ele é um corpo celeste com uma densidade enorme, do qual nem mesmo a luz pode "escapar". Apesar de ter sido teorizado no início do século passado, apenas em 2019 a humanidade conseguiu capturar uma imagem real de um buraco negro.

Em entrevista exclusiva ao site da TV Cultura realizada em outubro de 2022, Sérgio Sacani  explicou que há, na verdade, três tipos de buraco negro: "o de massa estelar acontece quando uma estrela tem 10 vezes a massa do Sol, ela explode em ‘supernova’ e o ‘caroço’ dela, se tiver 3 vezes a massa do Sol, vira um buraco negro. 

A força gravitacional é tão grande que a velocidade de escape do buraco negro é maior que a velocidade da luz. Por isso é que a gente não vê nada. Existem buracos negros que estão no centro de galáxias. Esses a gente chama de supermassivos, têm milhões de vezes a massa do Sol. Como eles se formaram? 

O James Webb está aí para tentar responder isso. Existem ideias de como eles se formaram, mas o James Webb pode mostrar realmente como eles se formaram. Tem também um buraco negro que a gente chama ‘de massa intermediária’, que é entre o de massa estelar e entre o supermassivo. Já descobrimos evidências de um ou outro."

"Tem galáxias que não têm um buraco negro. A maioria tem, mas não são todas. Elas giram por conta da conservação do momento, da maneira como ela foi formada. Isso é uma questão que o James Webb pode ajudar a responder. por exemplo: ‘Quem veio primeiro, o buraco negro ou a galáxia?’ A gente não sabe. As estrelas giram ali e, no centro, você tem uma maior gravidade", completou o host do podcast Ciência Sem Fim.



•  

TV Cultura / UOL
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.