Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
04/08/2023 11h00min - Geral
7 meses atrás

Centro-Oeste avança na procura por seguro rural

Avanço é de 25,5%, passando de R$ 1,2 bilhão em 2022 para R$ 1,5 bilhão em 2023

Pixabay ► 
Fonte: Fonte Agrolink



O Centro-Oeste brasileiro teve crescimento na procura pelo seguro Rural nos cinco primeiros meses deste ano. Um levantamento produzido pela Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg) detectou um avanço de 25,5%, passando de R$ 1,2 bilhão em 2022 para R$ 1,5 bilhão em 2023, quando considerados os três estados que compõem o Centro-Oeste, mais o Distrito Federal. Conhecido como o celeiro do Brasil pela sua relevância na produção de grãos, a região abriga 19 dos 25 municípios mais ricos do agronegócio brasileiro, segundo dados mais recentes do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa).

De acordo com o estudo da CNseg, Goiás liderou as arrecadações da região de janeiro a maio de 2023, com, aproximadamente, R$ 510 milhões e um avanço de 30,2%, seguido por Mato Grosso do Sul, com R$ 493 milhões (+ 6,9%), e Mato Grosso, com R$ 361 milhões (+ 34,7%). O Distrito Federal, por sua vez, foi o que apresentou menor montante, mas o maior crescimento. A capital federal passou de R$ 59 milhões (2022) para R$ 117 milhões (2023), um avanço de quase 100%.

Para Thiago Ayres, superintendente de Estudos e Projetos da CNseg, o aumento da demanda está diretamente relacionado à percepção de risco pelo produtor rural. “Com o aumento constante na ocorrência de eventos climáticos severos, o produtor rural, cada vez mais, tem enxergado o setor de seguros como um forte aliado na saúde financeira do seu negócio”, destaca.

A resolução nº96, publicada pelo Mapa define a disponibilização de R$ 1,06 bilhão para este ano, com o objetivo de auxiliar financeiramente o produtor no momento da aquisição do seguro rural. O subsídio varia de 20% a 40% do valor do contrato de seguro.

O seguro Rural é oferecido independente do porte do negócio, desde que este siga as boas práticas de manejo, tais como o Zoneamento Agrícola (Zarc), por exemplo, além de práticas de correção de solo, adubação e controles fitossanitários. “Com a ocorrência frequente de eventos climáticos que podem devastar lavouras inteiras, o setor de seguros traz a segurança que o produtor rural precisa para focar suas energias em aumentar a sua produtividade”, conclui Ayres.

As informações são da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg).



•  

Agrolink
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.