Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
23/11/2023 16h30min - Esporte
6 meses atrás

Brasileira que quase abandonou jiu-jitsu se torna a terceira melhor lutadora do mundo

Em janeiro deste ano, Rebeca Cavalcante pensou em abandonar o esporte por não ter o visto de imigrante e, consequentemente, ter dificuldade para competir fora do Brasil

Foto divulgação ► 
Fonte: Fonte Agência Brasil



A brasileira Rebeca Cavalcante conquistou a terceira colocação do campeonato mundial de jiu-jitsu, disputado em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. Em janeiro deste ano, a lutadora pensou em abandonar o esporte por não ter o visto de imigrante e, consequentemente, ter dificuldade para competir fora do Brasil.

Em entrevista exclusiva ao site da TV Cultura, Rebeca fala sobre a dificuldade em conseguir o documento. “Eu pensei em largar o jiu-jitsu porque eu vinha tentando tirar o visto desde 2017 e sempre era negado. Só neste ano que eu consegui, e ainda o visto de atleta. Por isso, eu pude focar 100% no esporte”.

A partir da conquista do visto, a lutadora contou com a ajuda de patrocinadores e começou a jornada de lutas e competições fora do país. Depois de passar uma temporada no Kansas, nos Estados Unidos, e ser campeã em quatro categorias diferentes, a brasileira foi ao Texas em outubro deste ano, disputar o Pan-Americano. Entretanto, perdeu na primeira luta e foi eliminada.

Ainda em outubro, a lutadora disputou o campeonato europeu da modalidade e conquistou uma vaga no pódio, ficando em terceiro lugar. Apesar das várias competições na temporada, no mês seguinte, a brasileira também viajou para os Emirados Árabes para a disputa do mundial.

“Este foi um grande desafio para mim. Eu tinha disputado o campeonato europeu, em Roma, na categoria até 120 kg. Precisei ir para o calor de Abu Dhabi e ainda perder 25 kg em sete dias para estar dentro das determinações do torneio, que permitia que os competidores tivessem até 95 kg”, conta.

A confederação árabe permite apenas um representante por país no mundial. Por isso, Rebeca precisou superar lutadoras brasileiras para avançar à fase final. Com uma sequência de vitórias, conseguiu a medalha de bronze.

Agora, a atleta diz estar 100% focada no jiu-jitsu e já projeta o Pan-Americano de 2024, em março, e o campeonato mundial, que acontecerá na Califórnia, em junho.

“Esse é um momento para descansar também. Foi um ano muito intenso. No ano que vem, quero buscar, no mínimo, os mesmos resultados, e no mundial meu foco é a medalha de ouro, conclui.



•  

Agência Brasil
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.