Atração no ARS
NO AR
Tocando agora
VOCÊ CURTE
EM DOURADOS
28/09/2023 12h00min - Esporte
6 meses atrás

A menos de um mês do Pan-Americano, brasileiro quebra recorde nacional nos 100m rasos

Prova aconteceu neste mês, em São Bernardo do Campo (SP), no Centro de Excelência Esportiva de Atletismo

Foto divulgação: Wagner Carmo / CBAt ► 
Fonte: Fonte TV Cultura / UOL



O atleta Felipe Bardi alcançou um número nunca antes visto na história do atletismo brasileiro. Ele fez 9s96 na prova dos 100m rasos. O recorde estabelecido pelo corredor se deu no Troféu Bandeirantes e deve garanti-lo nos Jogos Olímpicos de Paris 2024.

Além da maior competição do esporte mundial, que acontece no próximo ano, na França, os profissionais que representam o atletismo brasileiro disputam os Jogos Pan-Americanos de Santiago em outubro. Com 583 atletas já confirmados para o evento, o Time Brasil deve enviar mais de 620 atletas para o torneio.

A prova aconteceu neste mês, em São Bernardo do Campo (SP), no Centro de Excelência Esportiva de Atletismo.

"É motivo de grande alegria ver o sucesso do atletismo brasileiro. Parabenizo o Felipe Bardi pela marca alcançada e fico na torcida para que as novas gerações do esporte nacional conquistem ainda mais resultados expressivos. Sei o quanto significa para um atleta de alto rendimento ter a oportunidade de treinar e competir em locais adequados", diz Maurren Maggi, medalhista de ouro nas Olimpíadas de Pequim 2008 e embaixador da Recoma, empresa que construiu o centro esportivo.

m julho, Erik Cardoso atingiu 9s97 no Campeonato Sul-americano de Atletismo e quebrou o recorde de Robson Caetano, que já durava 35 anos. Foi a primeira vez que um profissional nacional conseguiu um tempo menor do que 10s. Na oportunidade, o velocista só ficou atrás de Asinga Issamade no pódio. Porém, o surinamês foi pego no exame anti-doping, em agosto, e pode perder a medalha e a marca obtida, passando a conquista para Erik.

“Conquistas como essas mostram a evolução do nosso atletismo. Por mais que o triunfo seja individual, há toda uma equipe de treinamento dando suporte aos atletas, principalmente quando se refere aos clubes, que são uma parte essencial no desenvolvimento do esporte olímpico”, observa Paulo Maciel, presidente do Comitê Brasileiro de Clubes, entidade que atua com mais de 800 agremiações formadoras de atletas, entre elas o SESI-SP, de Felipe Bardi.

Agora, após o novo número alcançado pelo atletismo brasileiro por meio de Felipe Bardi, o país possui dois velocistas que baixaram da marca dos 10s nos 100m rasos. Ambos os profissionais devem representar o Brasil nos principais eventos esportivos do calendário, como os Jogos Pan-Americanos e os Jogos Olímpicos. Inclusive, para o Pan, que começa em outubro, no Chile, o Comitê Olímpico do Brasil já tem as suas metas traçadas.

“Nossos objetivos são classificar o maior número de atletas para os Jogos Olímpicos, de maneira direta, além de nos mantermos entre os três primeiros colocados no quadro de medalhas. Logicamente, também é fundamental ampliar nosso número de conquistas em relação ao que fizemos em Lima 2019. Isso é fundamental. Queremos fazer amanhã melhor do que fizemos ontem", projeta Rogério Sampaio, diretor-geral do COB.



•  

TV Cultura / UOL
Publicada em:

Usamos os cookies e dados de navegação visando proporcionar uma melhor experiência durante o uso do site. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade.