15/12/2018 06h17 - Atualizado em 15/12/2018 06h17

Reinaldo vê plano de gestão como "baliza" e apoia reformas de Bolsonaro

Governador destaca que ações na esfera federal são essenciais para Estados e municípios; em discurso, destacou ações já adotados contra a crise

Por: Redação/CG News
 
 
Diplomado, Reinaldo afirma que plano de governo será Diplomado, Reinaldo afirma que plano de governo será "baliza" para sua segunda gestão. (Foto: Paulo Francis)

Diplomado para um segundo mandato na noite desta sexta-feira (14), o governador reeleito Reinaldo Azambuja (PSDB) apontou a urgência para a realização de reformas em nível federal, de forma a dar sustentação para os Estados realizarem as ações que lhe são de competência, e garantiu que o plano de governo será "a baliza desses próximos quatro anos", em Mato Grosso do Sul. Segundo ele, a perspectiva é de que o pior da crise que atingiu o país desde 2014 já passou.

As declarações foram dadas depois da cerimônia de diplomação, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo. Último dos eleitos a falar, Reinaldo fez um breve balanço sobre os desafios encarados na sua gestão e demonstrou confiança na gestão do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), na condução de um cenário de melhora no país.

No Estado, o governador garantiu que o plano de governo, já em execução por meio de reformas que reduzirão de 10 para 9 o número de secretarias e rearranjam a estrutura de gestão, "será a baliza dos próximos quatro anos". Segundo ele, mesmo em um cenário ruim para a economia nacional, sua administração cumpriu 77% das metas propostas na primeira gestão, "mesmo na pior crise da história".

O pior momento da economia, na visão do governador, já ficou para trás. "Vejo bons momentos para o futuro. O país pode voltar a crescer com reformas estruturantes", destacou, considerando essas ações vitais. "Se o país voltar a crescer, vou poder cumprir mais promessas do que fizemos antes. O Estado vai ter mais receitas e poder de investimento", pontuou.

O governador garantiu, ainda, apoio para que Bolsonaro aplique as reformas "e, principalmente, a diminuição de custos". Ele citou o slogan adotado pelo presidente eleito –menos Brasília e mais Brasil– para prever melhora nas finanças estaduais, a partir de uma partilha mais justa da arrecadação tributária (hoje, cerca de 60% dos impostos ficam com o governo federal e o restante é igualmente partilhado entre Estados e municípios).

Discurso – Em sua fala durante a diplomação, Reinaldo fez um breve balanço do quadro encarado desde 1º de janeiro de 2015, quando tomou posse para o primeiro mandato. Ele frisou os problemas gerados pela crise econômica nacional e ações adotadas para evitar que os problemas se espalhassem por Mato Grosso do Sul.

Dizendo-se "honrado pela reiterada responsabilidade" dada pela população ao lhe conduzir para um novo mandato, ele emendou que "nunca foi tão difícil governador em meio a uma crise econômica", destacando a "dramática queda na arrecadação estadual".

"Não havia um novo caminho senão reinventar um novo governo. Não titubeamos um minuto sequer para manter o Estado de pé", afirmou, listando entre as medidas a reforma administrativa, que encolheu de 14 para 10 o número de secretarias -serão 9 a partir de 2019. Ele ainda destacou que, independentemente da proximidade das eleições, adotou medidas impopulares, como a aplicação da reforma da Previdência.

Ele ainda citou atos de gestão como a Caravana da Saúde (que realizou dezenas de milhares de atendimentos no setor, incluindo cirurgias), investimentos na segurança pública, "que fizeram do Estado o terceiro mais seguro do Brasil, reduzindo a taxa de crimes contra a vida" e a construção de 26 casas populares "mesmo diante do fato de a Caixa (Econômica Federal) reduzir seu nível de operação" –o banco gerencia os programas federais na habitação.

Resultados – Agradecendo ao apoio "da grande maioria dos prefeitos e vereadores, que caminharam junto conosco", Reinaldo ainda afirmou que o respaldo é resultado da presença do governo no interior e da transparência das ações de gestão –o qual citou ser um dos mais transparentes do país, sendo o segundo em solidez fiscal, quinto em competitividade e segundo na geração de empregos.

"O ajuste fiscal já produziu uma nova realidade, temos uma carga tributária diferente da de quando assumimos o governo", apontou, citando ainda o "ambiente propício" para a aplicação de ações como a redução de impostos.

Ainda em sua fala, o governador reeleito se voltou contra ataques sofridos na campanha eleitoral e de denúncias as quais, frisou, confia que serão arquivadas. "Fiz questão de, no cenário eleitoral, manter a campanha limpa e honrada. Assim fiz, em respeito rigoroso às normas e legislação".

Reinaldo disse reiterar "cada compromisso" firmado na gestão. "Vamos continuar enfrentando os problemas com coragem, cuidar bem de cada centavo e reduzir a desigualdade", pontuou, lembrando que 77% das metas estipuladas na campanha de 2014 foram atingidas. "Agora poderemos fazer muito mais".


Envie seu Comentário



 

Notícias

Brasil
Dourados
Esportes
Mulher
Mundo
Policial
Rural
Saúde
Shopping

Canais

Programação
Promoções
Recadinhos
Festas&eventos
Entretenimento
Horóscopo
Agenda Cultural
Fotos Flagrantes

Expediente

Sobre a Rádio
Responsabilidade Social
Nossa História
Localização
Abrangências
Política Comercial
Política de Privacidade
Termos de uso
Anuncie

Rádio e Televisão Gran Dourados
Rua Gustavo Adolfo Pavel, 935 - Vila Tonanni
Dourados - MS - CEP - 79825-901

+55 (67) 3411-1992 - Atendimento
+55 (67) 3411-1915 - Anuncie
+55 (67) 3411-1914 - Fax